Acne: PARTE II



No nosso último post da série sobre Acne, falamos de uma maneira geral: o que é a acne, como ela se forma e quais são seus tipos (se você não leu, sugiro que leia antes desse, clicando aqui! ).

Hoje vamos dar continuidade ao assunto, pontuando outras classificações. 
Além dos 5 tipos de acne que apresentei, temos outros, que são: 

Cosmética: 
Mais frequente em mulheres de 20 a 50 anos, por uso de cosméticos com substâncias comedogênicas (que provocam a formação de comedões) ou bases cosméticas inadequadas para o tipo de pele. Não é incomum a concomitância com a acne vulgar. Também pode ocorrer nas costas de pacientes que se submetem a massagens corporais com óleos ou cremes com base muito oleosa. 
As lesões restringem-se às áreas de aplicação dessas substâncias e o tratamento é a abstenção  desses agentes.
A acne por detergentes também pode ser considerada como uma forma de acne cosmética. O uso exagerado de alguns sabões, contendo particularmente hexaclorofeno, pode ter efeito comedogênico.

Neonatal:  
1 em cada 5 recém-nascidos possuem esse tipo de acne que é formada basicamente por comedões; sendo mais afetados os de sexo masculino do que o feminino. Acomete o recém-nascido nas primeiras semanas de vida, e é passageiro. O mecanismo etiopatogênico exato ainda é desconhecido, porém, a hipótese é que seja pelos andrógenos maternos circulantes e alterações hormonais intrínsecas específicas do recém-nascido.

Infantil:
São casos que persistiram após o período neonatal, ou apareceram entre 3 e 6 meses de vida até os 4 anos de idade e não estão relacionadas com a estimulação de andrógenos maternos. Aparecem numerosas pápulas inflamatórias e pústulas e as crianças apresentam maior risco de acne grave na adolescência. 
Trata-se de alterações hormonais próprias dessa idade. Em ambos os sexos, durante o primeiro ano de vida, as glândulas adrenais secretam altos níveis de DHEA¹ e DHEAS². Este último é, especificamente, associado ao desenvolvimento de acne em meninas, mais do que em meninos, por ter um componente adicional de andrógeno testicular. Isso explica por que eles são mais vulneráveis à acne neonatal e infantil.
Acredita-se que a persistência da acne está ligada a distúrbios endocrinológicos, com alterações do LH³, FSH* e testosterona livre.
De modo geral, a doença dura alguns meses e pode haver remissão espontânea. Nos casos persistentes, o tratamento baseia-se na causa.

¹DHEA é um hormônio produzido nas glândulas supra renais e funciona como um precursor metabólico de vários hormônios, incluindo o hormônio masculino testosterona.
²DHEAS é um hormônio esteróide produzido a partir do colesterol pelas glândulas adrenais (ou suprarrenais), gônadas, tecido adiposo, cérebro e pele (por um mecanismo autócrino).
³O LH é um hormônio produzido na hipófise (glândula pituitária) em homens e mulheres. Nas mulheres, o LH é uma parte importante do ciclo menstrual. Ele trabalha em conjunto com o hormônio folículo-estimulante (FSH), que também é produzido na hipófise. Nos homens, o LH também é produzido na hipófise. O LH liga-se aos receptores de certas células nos testículos, chamadas células de Leydig. Isso leva à liberação de testosterona, um hormônio que é necessário para a produção dos espermatozoides.
*O FSH, hormônio foliculotrófico ou folículo-estimulante, é produzido pela hipófise e é uma das gonadotrofinas, juntamente com o LH. Apresenta como funções: regular o desenvolvimento, o crescimento, a maturação puberal, os processos reprodutivos e a secreção de esteróides sexuais, nas gônadas (testículos e ovários).
Nos homens, o FSH estimula a espermatogênese pelas células dos túbulos seminíferos, sendo fundamental para a produção dos espermatozoides.
Nas mulheres, o FSH causa a proliferação das células foliculares ovarianas e estimula a secreção de estrógeno, sendo fundamental para a produção dos folículos (óvulos), atuando sempre em conjunto com o LH (hormônio luteinizante).

Pré-menstrual: 
É uma variação clínica com as características da acne vulgar, porém com agravamento na fase pré-menstrual. Esses casos, quando intensos, devem ser submetidos à investigação hormonal, pois, às vezes podem revelar ovários policísticos ou doença hormonal.

Mecânica:
É um tipo especial de acne provocada pela ação de traumas físicos repetidos na pele, como pressões, tensões, alongamentos e estiramentos.
Em geral são causados pelo uso de chapéus, colares, moldes ortopédicos, fitas cirúrgicas, etc.
Em pacientes, sobretudo mulheres, com distúrbios emocionais, o que os leva compulsivamente a traumatizar, com as unhas, a pele do rosto, surgem lesões relativamente discretas de acne.
A explicação para o surgimento desse tipo de acne estaria nas forças mecânicas extrínsecas exercidas nas áreas seborreicas, que produziriam um provável agravamento no local de acne preexistente.  

Medicamentosa:
Surge devido ao uso de medicamentos como: andrógenos, anabolizantes, corticoides tópicos ou sistêmicos, ACTH e alguns tipos de anticoncepcionais. Outras substâncias também podem estar envolvidas, como os halógenos (iodo, cloro, bromo); as vitaminas (B12, B6, B1, D2); isoniazida, rifampicina, etionamida; fenobarbitúricos, trimetadiona, hidantoína, lítio, hidrato de cloral; quinina, dissulfiram; tiouracil, tioureia e ciclosporina.
O tratamento basicamente consiste na retirada da droga e em casos especiais, quando não é possível a suspensão do medicamento, o tratamento pode ser feito com os derivados dos retinoides, antibióticos tópicos e sistêmicos, nos casos mais graves.

Tropical:
A acne tropical ou estival, é um quadro de acne que ocorre em climas quentes e úmidos. É também observada em pacientes com excessiva sudorese e em pessoas que operam fornos.
As lesões características são pápulas cupiliformes vermelho-violáceas endurecidas e pústulas, algumas vezes com certo grau de prurido. Acomete nas regiões de tronco, ombros e estendem-se para os braços. Com menos frequência, acomete na face e região cervical.
O quadro piora com o uso de fotoprotetores graxos e em pacientes que se expõem ao sol em horários inadequados.

Venenata: 
Varia de acordo com as substâncias com as quais o trabalhador tem contato, observados sobretudo em ambientes industriais. Assim, há diferentes quadros clínicos, segundo o produto em questão, como, por exemplo, óleos solúveis (elaioconiose), hidrocarbonos clorados (cloracne), graxa, alguns clorofenóis presentes em inseticidas, herbicidas e fungicidas, óleo de petróleo, piche e alguns produtos de beleza. Há presença de comedões abertos e fechados inicialmente não inflamatórios que podem evoluir para pápulas e pústulas.

Acne na Gravidez: 
No início da gravidez ocorre elevados níveis de progesterona o que é o maior problema no primeiro trimestre em termos de acne. Geralmente a acne na gravidez é moderada e a idade não influencia sobre sua presença ou não.

No próximo post vamos falar sobre fatores que agravam a acne! Para não perder as atualizações do blog, assine nosso feed na lateral direita aqui do blog, e receba por e-mail! ;)

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário