Microagulhamento - Corrente de Demarcação


Como prometido no meu primeiro post sobre microagulhamento (se você não leu, confira clicando aqui), hoje vou falar um pouco sobre a teoria de bioeletricidade (eletrotaxia).

Para dar um pouco de contexto, antes de entrarmos diretamente no assunto em questão, vamos primeiro falar sobre a eletricidade no corpo humano. 

Negatividade é o estado de descanso natural das nossas células. Ela está relacionada ao leve desequilíbrio entre os íons de potássio e sódio dentro e fora das células, e esse desequilíbrio prepara o palco para sua capacidade elétrica.

As membranas das suas células praticam um truque frequentemente chamado de portão sódio-potássio. É um mecanismo extremamente complexo, mas a explicação simples desses portões, e como eles geram cargas elétricas, é a seguinte:
Em repouso, nossas células têm mais íons de potássio dentro do que íons de sódio fora. Os íons de potássio são negativos, por isso o interior de uma célula tem carga levemente negativa. Os íons de sódio são positivos, por isso a área imediatamente fora da membrana celular é positiva. Mas não há diferença de carga forte o suficiente para gerar eletricidade nesse estado de repouso.

Quando o corpo precisa enviar uma mensagem de um ponto a outro, ele abre o portão. Quando o portão de membrana abre, os íons de sódio e potássio se movem livremente para dentro e para fora da célula. Os íons de potássio negativamente carregados deixam a células, atraídos pela positividade fora da membrana, e os íons de sódio positivamente carregados entram na célula, movendo-se em direção à carga negativa. O resultado é uma troca nas concentrações dos dois tipos de íons - e a troca rápida de cargas. É como a troca entre 1s e 0s - essa mudança entre positivo e negativo gera um impulso elétrico. Esse impulso aciona a abertura do portão da próxima célula, criando outra carga, e assim por diante. Dessa forma, um impulso elétrico se move de um nervo em seu dedão do pé que acaba de dar uma topada para parte do seu cérebro que sente a dor.

CORRENTE DE DEMARCAÇÃO

Quando o microagulhamento é aplicado da maneira correta e com um aparelho de qualidade, as agulhas finas não provocam um ferimento. O processo de cicatrização de feridas é abreviado, pois o mecanismo de reparação da pele é alterado. De acordo com essa teoria, a corrente de demarcação (também chamada de bioeletricidade) desencadeia uma cascata de fatores de crescimento, o que otimiza o estímulo de cicatrização.

Como dito no post anterior, a cicatrização (clássica) segue as etapas biológicas de: hemostasia, inflamação, proliferação e remodelamento. Dependendo da gravidade e tipo de ferida, a fase inflamatória inicia logo após a lesão e pode durar de 7 à 14 dias. Juntamente com a fase inflamatória, há o estímulo da proliferação celular seguido pela fase de maturação (remodelamento), essa última podendo durar até um ano ou mais. A fase de cicatrização final é representado por um tecido cicatricial, uma conformação de fibras de colágeno com ligações cruzadas.

No caso do microagulhamento não ocorre essa sequência, já que o processo de cicatrização é muito mais rápido, com fases encurtadas e o resultado final não é a formação de um tecido cicatricial fibrosado. 

Alguns esclarecimentos de como isso ocorre podem ser encontrados na comunicação celular e na eletrotaxia (sinais elétricos endógenos). Dunkin e colaboradores relataram que cortes de 0,5-0,6mm de profundidade se fecham por comunicação elétrica, sem indício de formação de tecido cicatricial. Zhao e colaboradores descreveram efeitos semelhantes de correntes elétricas na modalidade e no reparo celular. 

Acredita-se que o principal mecanismo de ação das microagulhas, seja através dos potenciais transepteliais. Foulds e Barker colocaram eletrodos no estrato córneo e na derme, e mediram uma diferença de potencial negativa de 10 a 60 mV, com uma média de -23,4 mV. 

Imagem: Potencial de repouso da pele. Adaptado de Liebl e Kloth.

Quando uma microagulha (de preferência de aço inoxidável), penetra o estrato córneo, a reação que ocorre é a de formação de um curto-circuito dos campos elétricos endógenos.

Imagem: Formação de curto-circuito dos potenciais elétricos endógenos após introdução de agulha de aço inoxidável. Adaptado de Liebl e Kloth.

A penetração da agulha dura apenas frações de segundos quando o aparelho de microagulhamento desliza sobre a pele. As microagulhas tem, idealmente, um raio não maior do que 2 a 3 μm e não promovem a formação de uma ferida clássica, resultando numa resposta inflamatória leve, provavelmente decorrente da liberação de bradicininas e liberação de histamina dos mastócitos (ambos promovem a vasodilatação). 
Após a lesão, a bomba de Na/K é ativada para reestabelecer o potencial elétrico intra e extracelular. A ATPase, uma proteína transmembrana, carreia íons de Na+ e coleta íons K+ e os transporta para dentro da célula.

Imagem: Bomba de Na-K ATPase: para cada três íons de Na que deixam a célula, dois íons de K entram na célula. Adaptado de Liebl e Kloth.
 Todo esse processo ocorre em 2 a 3 milissegundos. Apenas as células nas proximidades da lesão são ativadas (2 a 3mm). Uma vez que o potencial elétrico é reestabelecido, as células ativadas reassumem seu potencial de repouso.

Imagem: O aumento do potencial elétrico resulta na emissão de um sinal elétrico. Adaptado de Liebl e Kloth.
Para alcançarmos um resultado satisfatório com o microagulhamento, cerca de 200 microperfurações são criadas por cm² de pele. O campo eletromagnético gerado vai estimular a expressão de DNA das células adjacentes, levando um aumento da mobilidade das células epiteliais e endoteliais na área lesada e, consequentemente, a liberação dos fatores de crescimento que facilitam a cicatrização.

Bem, já falamos bastante sobre microagulhamento, fatores de crescimento, indicações, contraindicações, agora sobre corrente de demarcação... mas sempre fica aquela dúvida né? 
Então o próximo post dessa série será respondendo as dúvidas de vocês! Basta deixar aqui nos comentários qualquer dúvida que vocês tenham relacionada à microagulhamento que vou responder! ;)

Obrigada por sua visita, volte sempre! 

Comentários
0 Comentários

Nenhum comentário :

Postar um comentário